Cuidando do que é mais importante

Esta percepção é geral: uma vez mais, o ano que mal começou já está chegando ao fim. Os dias “voam” e, quando menos nos damos conta, podemos estar envolvidos numa rotina de afazeres que simplesmente leva nossos dias como o vento carrega as folhas secas pelo ar…

No Salmo 90, Moisés discorre sobre a eternidade de Deus e a transitoriedade do homem. Ele afirma:

Acabam-se os nossos anos como um breve pensamento.” (v. 9)

E continua:

Os dias da nossa vida sobem a setenta anos ou, em havendo vigor, a oitenta; (…) tudo passa rapidamente, e nós voamos.” (v. 10)

O apóstolo Pedro, citando o profeta Isaías, declarou:

Pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a sua flor(…)” (1Pe 1:24,25)

Por seu caráter escasso, alguém disse que “o tempo é a moeda da vida”, o que temos de mais valioso. E o que temos feito com tão preciosa dádiva concedida pelo Criador?

No findar de mais um ano, é oportuno nos determos por um momento para refletir como temos vivido os nossos dias. Estamos fazendo escolhas néscias, desperdiçando o tempo em coisas vãs, como ansiedades, preocupações e distrações que para nada aproveitam (Mt 6:27)? Estamos valorizando mais as coisas do que as pessoas? Estamos sendo demasiadamente egoístas? Será que estamos dedicando tempo àquilo que é realmente importante? Temos feito cada dia valer a pena? Estamos vivendo ao máximo ou apenas “deixando a vida nos levar”?

Certa vez escutei num sermão algo muito certo: “a maior realização da vida se encontra nos relacionamentos”. A afirmação é válida tanto no âmbito vertical (relacionamento com Deus) quanto no horizontal (relacionamento com as pessoas). Nossos relacionamentos são o bem mais valioso que possuímos. Isso é tão verdade, que o próprio Jesus destacou como principais mandamentos o amor a Deus e às pessoas (Mc 12:30,31; Jo 13:35). No cumprimento dessa ordenança, o tempo desempenha papel chave!

A melhor expressão do amor é o tempo… Quanto maior o tempo dedicado a alguma coisa, mais você demonstra a importância e o valor que ela tem para você.”, disse Rick Warren em seu best-seller “Uma vida com propósitos”. E ele agrega: “o nosso tempo é um presente finito dado por Deus e, por isso, é o maior presente que podemos dar a alguém”. “Foi o tempo que perdeste com a tua rosa que a fez tão importante”, disse a raposa ao Pequeno Príncipe. Tempo é uma questão de prioridade, e a verdade é que nós priorizamos o que é importante para nós.

Esta é uma época em que muitas pessoas param para avaliar como foi o ano e começam a definir seus objetivos e metas para o ano seguinte. Eis um bom alvo para o ano que se inicia: passar mais tempo com Deus e valorizar mais as pessoas que Ele colocou em nossas vidas. Que possamos investir mais tempo em cultivar e construir relacionamentos saudáveis!

“ ‘A gente só conhece bem as coisas que cativou’ – disse a raposa. ‘Os homens não tem mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo pronto nas lojas. Mas, como não existem lojas de amigos, os homens não tem mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!’ ” (“O Pequeno Príncipe”).

Amigos, a vida é muito curta, portanto, que saibamos aproveitá-la bem, com sabedoria e gratidão, cuidando com apreço daquilo que é mais importante.

Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.” (Mt 6:21)

FELIZ 2014! 🙂

Então você gostaria de aprender uma língua estrangeira…

Fim de ano chegando e muitos começam a traçar seus objetivos para o ano seguinte. Que tal colocar em prática aquele seu projeto de aprender inglês de verdade? Seja no âmbito profissional seja no pessoal, poder se comunicar em outro idioma é uma habilidade que traz diversos benefícios.

A boa notícia é que, com os recursos que hoje temos à disposição, somados à uma boa dose de motivação e disciplina, não é difícil aprender uma língua estrangeira com um bom nível de fluência. O que acontece é que muitas pessoas se iludem, pensando que, para atingir tal objetivo, é suficiente completar o cursinho X ou Y. Quando se dão conta da realidade, muitos simplesmente desistem de continuar aprendendo. Alguns inclusive chegam a dizer: “Não tenho talento para isso!”.

Neste post, veremos alguns dos fatores determinantes quando se trata de aprendizado de línguas estrangeiras. Esses fatores, se compreendidos, podem ajudar bastante numa distribuição mais eficaz de esforços por parte de quem está estudando. Serão mencionados alguns dos recursos existentes, com alguns exemplos concretos para os estudantes de inglês. Vale mencionar que este post apenas reflete a minha experiência leiga de estudante de idiomas e, obviamente, não abarca todos os desdobramentos, complexidades e pontos de vista sobre o assunto.

Competência linguística (fluência)

Sabemos que quatro competências estão envolvidas no domínio de um idioma: ler, ouvir, escrever e falar. Existem habilidades de caráter mais “passivo” (i.e.: ler e ouvir) e existem as habilidades de caráter mais “ativo” (i.e. escrever e falar). O domínio das habilidades ativas está bastante relacionado à competência linguística no idioma.

Em relação a essas habilidades, também existe o aspecto de sincronismo. Escrever e ler são competência assíncronas (podem ser feitas tomando-se quanto tempo se disponha ou seja necessário) ao passo que falar e ouvir são competência síncronas (a comunicação se dá de forma instantânea – não se dispõe de muito tempo para pensar).

Os dois conjuntos de habilidades são importantes, pois um oferece material de insumo para o outro. É intuitivo: um bom leitor tende a ser um bom escritor; e um bom ouvinte também tende a se expressar melhor por meio da fala. Quanto maior a exposição compreensível de uma pessoa à língua (leitura e audição – input), maior tenderá a ser sua competência linguística (escrever e falar – output).

Tentei resumir essas características na figura abaixo, que batizei de Quadrantes da comunicação. Observe que a fala está situada no quadrante “síncrono” e “ativo”, o que justifica o fato de normalmente ser a habilidade mais complexa de ser alcançada. O exercício das habilidades do quadrante “Ativo” tem papel fundamental no desenvolvimento da fluência.

quadrantes da comunicacao

Quadrantes da comunicação

Nota: Aqui utilizei o termo “competência linguística” de forma mais livre, relacionando-o diretamente ao grau de fluência no idioma. De maneira mais rigorosa, Chomsky define o termo como sendo algo ligado a um conhecimento mais intelectual da língua (ideal e teórico), em contraposição ao conceito de “performance linguística”, que seria o efetivo uso da língua na comunicação (mais prático). Para uma breve comparação desses termos, ver o artigo Competence versus Performance.

Aprendizagem Formal e Assimilação Natural

Em seus estudos sobre o aprendizado de línguas estrangeiras, o linguista norte-americano Stephen Krashen diferenciou dois conceitos importantes: aprendizagem formal (language learning) e assimilação natural  (language acquisition). O primeiro está relacionado ao uso de técnicas tradicionais de memorização e estudo de gramática, enquanto o último está mais voltado à exposição a situações reais e uso da intuição. A chave para aprender bem um idioma está em se colocar um enfoque maior na assimilação natural, utilizando a aprendizagem formal como complemento. Normalmente, no Brasil, o que ocorre na área de educação quando se trata de línguas estrangeiras é o oposto. Por isso, não é de se admirar que estejamos tendo resultados tão ruins.

Com isso em mente (e admitindo-se que não seja possível ou viável mudar-se para o país onde a língua é falada), o que eu recomendaria para quem deseja aprender um novo idioma? Para os que ainda não sabem nada (ou muito pouco), considero útil fazer um cursinho por algum tempo para romper a inércia e dar aquela “arrancada inicial”. A exposição estruturada provida em sala de aula ajuda nas etapas iniciais do aprendizado, é prática e também ajudar no estabelecimento da disciplina necessária.

Tão logo a pessoa já esteja um pouco mais familiarizada com o idioma (cada um tem seu tempo para isso), torna-se imprescindível o desenvolvimento de atividades para favorecer a assimilação natural. Para isso, é importante haver muita exposição à língua, tanto visual quanto auditivamente, em situações e contextos reais. Como isso pode ser feito? Através da Internet, é possível assistir a programas de televisão (youtube.com), ouvir rádios, música, conversar com nativos (via Skype, por exemplo), ouvir podcasts e ler (notícias, romances, artigos técnicos, etc.). A seguir, quero destacar dois recursos muito úteis para quem deseja aprender ou melhorar o inglês (existem sites similares para outras línguas): Podcasts e blogs.

Podcasts

Eu, particularmente, sou fã dos podcasts, que nada mais  são do que conteúdos sobre um assunto qualquer que são gravados em áudio (normalmente arquivos .mp3) e disponibilizados para download. É possível usar aplicativos para “assinar” podcasts, recebendo automaticamente o conteúdo sempre que um novo episódio é liberado (o  iTunes é uma opção).

Um podcast que eu recomendo MUITO é o English as a Second Language Podcast, produzido pelo Dr. Jeff McQuillan e pela Dra. Lucy Tse, ambos com muitos anos de experiência na área de Educação e ensino de idiomas. O podcast possui duração média de 30 minutos e é sempre baseado numa situação fictícia do cotidiano (viagens, negócios, saúde, entretenimento, relacionamentos, etc.), normalmente colocada na forma de um diálogo, que dura cerca de 2 minutos e é falado bem devagar. Após o diálogo, o Dr. Jeff explica o vocabulário usado no diálogo e, ao final, há a repetição da situação numa velocidade normal. A transcrição também está disponível no site. Além da série regular, que já conta com mais de 900 podcasts (!), existe a série do English Café, com mais de 400 episódios interessantíssimos sobre cultura geral americana (grandes escritores e personalidades, canções típicas, presidentes, organizações, etc.) e também respostas de dúvidas que os ouvintes enviam. Esta série é simplesmente fantástica. Tudo isso que eu falei é gratuito, mas também é possível ter acesso a uma versão paga que dá direito ao Learning Guide, o qual provê a transcrição completa de tudo o que é falado nos podcasts, explicações adicionais e notas culturais (tudo bem, eles fazem um trabalho tão bom, que eu não me importo de fazer a propaganda).

Outro podcast muito bom especificamente para quem deseja aperfeiçoar-se em questões relacionadas à pronúncia do inglês americano é o Pronuncian. Nele são discutidos didaticamente diversos tipos de padrões para pronúncia, tanto formal quanto informal. Entenda o que são vogais “longas” e “curtas”, voiced e unvoiced consonants, ritmo, entonação e outras diversas curiosidades do gênero. Os podcasts são bem curtos (cerca de 5 minutos) e também possuem transcrição disponível no site.

Blogs

Outro recurso interessante para aprender inglês são os blogs. Dispondo de apenas alguns minutos, é sempre possível aprender algo novo. Entre eles, eu destaco o Tecla SAP e o English Experts (ambos são feitos por e para brasileiros). Vale a pena dar uma conferida neles de vez em quando. Para quem já está num nível mais avançado e se interessa por aspectos mais técnicos, existe também o About.com, que é um blog mais voltado para gramática e redação (este já é todo em inglês, não sendo específico de ESL).

Assim como ocorre com os podcasts, existem aplicações para realizar a “assinatura” de blogs, o que também é muito recomendável usar. Em um único lugar, pode-se controlar os posts já lidos e organizar os blogs assinados em categorias quaisquer. Entre as aplicações disponíveis, está o Feedly, que possui uma interface simples e também pode ser usado com autenticação integrada com a conta do Google.

Conclusão

Neste post, vimos alguns dos diversos fatores envolvidos no aprendizado de uma nova língua. O principal aspecto é que a língua é uma habilidade criativa, e não memorizada. Então, o ideal é utilizar métodos que favoreçam a assimilação natural. Apesar de não ser trivial, há miríades de recursos à disposição e, por isso, não existe desculpa para não aprender.

É muito importante buscar e explorar conteúdos que despertem o interesse, pois o fator motivação é fundamental. Está interessado no novo livro daquele reconhecido autor internacional? Por que não o lê no original? Vai assistir a um filme? Que tal colocá-lo com legendas em inglês? Já ouviu os episódios daquele novo sobre História Contemporânea? Buscar essa interação com as áreas em que uma pessoa já possui interesse é uma ótima maneira de manter o entusiasmo com a língua e aprendê-la de forma mais natural.

Cada pessoa aprende de uma forma diferente, então o ideal é que cada um experimente com as possibilidades e veja o que funciona melhor para si. Aprender bem um novo idioma leva tempo e dedicação, mas certamente é uma das experiências mais recompensadoras que existem!

Em particular, seguem alguns links úteis para quem está estudando inglês:

Blogs

English Experts  |  Tecla SAP  |  Inglês na Ponta da Língua |  About.com

Podcasts – ESL

English as a Second Language Podcast  |  Pronuncian  |  VOA Special English

Podcasts – Sermões

Joyce Meyer  |  Jentezen Franklin  |  Charles Stanley  |  Timothy Keller

Rádio

Radio K-LOVE